segunda-feira, 27 de maio de 2013

"Mosaico" visita Turma da Madruga

Programa semanal exibiu uma matéria especial sobre o Alto do Cabrito, enfatizando um divertimento popular na comunidade, o baba, praticado até a madrugada
 

Todas as tardes de sábado, a TV Bahia, afiliada da Rede Globo no estado, veicula um programa de entretenimento, cultura e variedades com linguagem tipicamente baiana, o Mosaico Baiano ou, simplesmente, Mosaico. A atração, apresentada ao ar livre por Alessandro Timbó, vai ao ar das 13:50 às 14:45.
 
Um dos quadros de maior sucesso e irreverência entre os telespectadores é o Mapas urbanos, no qual a atriz Maria Menezes apresenta coisas e causos pitorescos da cidade de Salvador. Na edição do dia 18 de maio, ela e sua equipe foram ao bairro do Alto do Cabrito, no Subúrbio Ferroviário, com o propósito de mostrar como os moradores se divertem de madrugada, "numa simples noite no meio da semana".
 
Após interrogar apenas mulheres com suas perguntas curiosas e degustar um acarajé e um bolinho de estudante, Maria, sempre hilária, ao direcionar para um grupo constituído integralmente por homens, questionou: "Quem foi que disse que em Salvador tem pouco homem?", com direito a risos deles. "Eu, por exemplo, estou cercada deles", prosseguiu.
 
O grupo em questão é a Turma da Madruga, que joga baba, um tipo de futebol de rua, de segunda a sexta-feira, das 20 às 22 h, e aos sábados e domingos, até as 5:30 da manhã, de acordo com um de seus membros. Entre os que participam da Turma da Madruga, estão os aposentados Adauto dos Santos e Lourival Calmon, mais conhecido como Dorival. Ambos aparecem no vídeo.
 
A coesão e a harmonia entre os integrantes estão reforçadas numa paródia do tema de abertura do seriado humorístico global A grande família, o samba homônimo de autoria da dupla baiana Tom e Dito, famosa no início dos anos 1970:

Essa Madruga é muito unida
E também muito ouriçada
Briga por qualquer razão
Mas acaba pedindo perdão

Madruga pai, madruga mãe, madruga filho
Eu também sou da Madruga
Também quero madrugar

Madruga pai, mãe, filho
Eu também sou da Madruga
Também quero madrugar

Depois de entoar a música, batendo palmas, os jogadores, em uníssono, fazem seu grito de guerra, enquanto Maria Menezes segura uma lembrança da turma:

Madruga, ga, ga, ga, ga, ga, ga, ga, ga, ga...

Como de praxe em todos os babas, há um intervalo reservado para os atletas descontraírem. No caso da Turma da Madruga, depois do jogo, um momento apropriado para o samba lhe é propício. "É o único samba na Bahia - eu venho falando isso - que tem músicas próprias", disse Adauto. Em seguida, os "madrugueiros" entoaram suas composições peculiares e se encheram de entusiasmo.
 
Ficha técnica da matéria
 
Direção: Marcela Amorim
Produção: Daniela Henning
Assistente de produção: Felipe Brandão
Imagens: José Leite e Jônatas Lima
Áudio: Raul Bomfim
Edição: Diêgo Lawinscky
Arte: Iaçuã Simões
 

Composto encontrado na uva vermelha e no vinho tinto previne perda de audição

Estudo demonstra a eficácia do resveratrol, uma substância antioxidante e anti-inflamatória, que também combate a falta de memória e o envelhecimento

Com informações das agências

Cientistas estadunidenses detectaram em ratos que, ao ingerirem resveratrol, os animais têm menor propensão a sofrer ruídos
(Foto: Hugo Gonçalves)
Um estudo recente, realizado por cientistas do Hospital Henry Ford, em Detroit, nos Estados Unidos, descobriu mais um benefício encontrado na uva vermelha. Trata-se do resveratrol, uma substância química presente ainda no vinho tinto, cujas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias auxiliam na prevenção da perda auditiva induzida por ruído e do declínio cognitivo.
Através da utilização de ratos saudáveis, a pesquisa demonstrou que os animais são menos suscetíveis de sofrer os efeitos dos ruídos ao ingerirem o composto fenólico, concentrado na película da uva, depois de conviverem com o incômodo por um longo tempo. O experimento foi divulgado em fevereiro na revista especializada Otolaringology-Head and Neck Surgery.
Coordenado pelo diretor da Divisão de Cirurgia Otológica-Otoneurológica do Departamento de Otorrinolaringologia, Cabeça e Pescoço do Hospital Henry Ford, Michael D. Seidman, o estudo se focaliza no impacto em que o resveratrol pode ter na perda de audição, na falta de memória e no envelhecimento precoce.
Seidman e sua equipe têm publicado vários artigos relativos tanto à perda auditiva induzida por ruído quanto ao resveratrol e seus benefícios ao organismo. Ele afirmou que a substância, bem como o seu efeito anti-inflamatório e antioxidante, é eficaz no tratamento de ferimentos.
Conforme o pesquisador, diversos estudos já revelam que o composto orgânico possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias que “protegem” as células. “A inflamação celular é algo que se acredita ser a causa de muitos problemas de saúde, incluindo a doença de Alzheimer, câncer, envelhecimento e perda auditiva e cognitiva”, explicou.
Outras frutas contêm resveratrol
Não somente na uva vermelha, que possui outro composto fenólico, o polifenol, responsável pelo rejuvenescimento da pele, e no vinho tinto que o resveratrol está incluído. A substância também é encontrada nas cascas de outras espécies de frutas e leguminosas, como amora, morango, framboesa e amendoim.
Embora a perda de audição atingisse metade das pessoas acima dos 60 anos de idade em todo o mundo, muitas pessoas começam a sofrer desse problema a partir dos 40. O declínio gradativo da audição, que afeta praticamente um em cada 5 pacientes, é causado pela idade avançada ou pela exposição constante a ruídos superiores a 120 decibéis (dB) no trânsito, em casas noturnas, aparelhos de MP3 e fones de ouvido.
O transtorno não apenas inibe a capacidade de ouvir, mas também pode provocar distúrbios relacionados ao sono e à comunicação, além de elevar o risco de doenças cardíacas, tendo como consequências o aumento da pressão sanguínea e dos níveis de lipídios e de glicose no sangue.

sábado, 11 de maio de 2013

Registro profissional é exigido para jornalistas

Saiba mais sobre esse documento, emitido pelo Ministério do Trabalho, que é obrigatório para o exercício dessa e de outras treze funções não regulamentadas por conselhos de classe
 
Para que um trabalhador exerça uma profissão, é obrigatória uma licença denominada registro profissional, documento fornecido pelo Ministério do Trabalho e Emprego, através das Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTEs), antigas Delegacias Regionais do Trabalho (DRTs).
 
Algumas profissões no Brasil possuem órgãos que as regulamentam, como os Conselhos Regionais de Corretores de Imóveis (Crecis), de Engenharia e Agronomia (Creas), de Medicina (CRMs), de Odontologia (CROs), de Psicologia (CRPs) de Farmácia (CRFs) e de Química (CRQs), além da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
 
Todas as 14 categorias que não têm conselhos de classe, incluindo jornalistas, publicitários, radialistas, artistas e secretários, entretanto, exigem o registro profissional, que é um número concedido mediante a apresentação de documentos nos sindicatos das respectivas categorias em cada unidade da Federação.
 
Os sindicatos preparam um processo a ser, posteriormente, encaminhado pelas SRTEs. No caso dos jornalistas baianos, a entidade representativa é o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (Sinjorba).
 
Surgido com o Decreto-Lei nº 972, de 17 de outubro de 1969, e aprimorado pelo Departamento Jurídico do Ministério do Trabalho, de acordo com o Decreto nº 83.284, de 13 de março de 1979, combinado com o Ofício-Circular 118 do MTE, de 26 de junho de 2006, e o Parecer do Conjur/MTE nº 106/2006, de 10 de março de 2006, o exercício da função de jornalista com a apresentação do registro profissional foi oficializado após longas negociações na DRT-BA, somadas ao processo enviado ao MTE.
 
O registro definitivo é concedido aos profissionais que concluíram o curso superior de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo autorizado e reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), e que já estão com seus diplomas apostilados pelo MEC ou por uma instituição credenciada pelo ministério. Para os formandos que ainda não receberam diploma, é possível obter o registro profissional temporário. Com validade de 12 meses, o registro temporário, como o próprio nome já diz, não pode ser renovado.
 
Confira os documentos necessários para emissão dos registros profissionais
 
Definitivo
 
Cópias autenticadas do diploma, da Carteira de Identidade, do Cadastro de Pessoa Física (CPF), da Carteira de Trabalho (páginas da foto e dos dados pessoais) e do comprovante de residência;
 
Requerimento ao (à) Superintendente Regional do Trabalho e Emprego solicitando o registro de jornalista profissional definitivo;
 
Declaração de ilícito penal, na qual o jornalista não responde a nenhum processo.
 
Temporário
 
Cópias autenticadas da Carteira de Identidade, do CPF, da Carteira de Trabalho (páginas da foto e dos dados pessoais) e do comprovante de residência;
 
Cópia autenticada da certidão de conclusão do curso superior de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo em papel timbrado. Emitida por uma instituição de ensino superior e firmada por seu representante legal, a certidão substitui temporariamente o diploma e consta dos seguintes dados: nome do profissional, nome do curso concluído, portarias de autorização e de reconhecimento do curso e data de colação de grau em tempo passado.
 
Requerimento ao (à) Superintendente Regional do Trabalho e Emprego solicitando o registro de jornalista profissional temporário;
 
Declaração de ilícito penal, na qual o jornalista não responde a nenhum processo.
 
Informações complementares
 
Na Bahia, o requerimento solicitando o registro profissional definitivo ou temporário deverá ser encaminhado à Superintendente Regional do Trabalho e Emprego no estado, Isa Simões. Ele também poderá ser obtido pela internet (abaixo), bem como a declaração.

Clique aqui para baixar o requerimento para registro definitivo

Clique aqui para baixar o requerimento para registro temporário

Clique aqui para baixar a declaração

Os documentos deverão ser apresentados na sede do Sinjorba, situada na Rua Gregório de Matos, 25, no Pelourinho, telefone: (71) 3321-1914, onde irá preparar um processo a ser encaminhado à SRTE-BA.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Sanduíche misto natural

A seção Receitas deste blog estreia hoje com uma ótima e saudável alternativa para o lanche ou para o café da manhã. É o sanduíche misto natural, uma receita que, além de nutritiva, leva apenas quatro ingredientes e é muito rápida e simples de preparar
 
Perfeita para o lanche e o café da manhã, receita leva apenas quatro ingredientes
(Fotos: Hugo Gonçalves)
 
Ingredientes
  • 2 fatias de pão integral de qualquer tipo
  • Margarina com ou sem sal
  • Requeijão cremoso light
  • 1 fatia de peito de peru defumado
 
Modo de preparo – Passo a passo
Em um prato, de preferência pequeno, coloque as fatias de pão integral.
 
Espalhe a margarina em um só lado de cada fatia, por todos os lados, usando uma faca.
 
Transfira os pães, já recheados com margarina, para uma chapa e aqueça-os em fogo médio por aproximadamente 5 minutos.
 
Retorne os pães ao prato e espalhe o requeijão cremoso em um só lado de cada fatia, por todos os lados, utilizando uma faca.
 
Em uma chapa, aqueça uma fatia de peito de peru em fogo desligado.
 
Coloque o peito de peru aquecido numa fatia de pão já recheada com margarina e requeijão.
 
Sirva em seguida.
 
Se preferir, corte o sanduíche na diagonal, usando uma faca.
 
Sugestões
  • Para variar a receita, substitua o requeijão cremoso por algumas fatias finas de queijo minas.
  • Além disso, substitua o peito de peru defumado por peito de Chester® ou de frango, ambos defumados.