quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Como será a nova composição da Assembleia baiana

Base governista, que engloba PT e legendas aliadas, continua sendo maioria na Casa, com 33 deputados, o que corresponde a aproximadamente 52,38% do total. Cerca de 36,50% das cadeiras passaram por renovação
 
23 dos 63 parlamentares eleitos são estreantes na Assembleia Legislativa
(Foto: Edson Ruiz/Bocão News)
 
Coligação Pra Bahia Mudar Mais (PT-PP-PSD-PDT-PTB-PR) – 30 vagas (47,61%)
 
1) Aderbal Caldas (PP) - Reeleito
2) Adolfo Menezes (PSD) - Reeleito
3) Alan Sanches (PSD) - Reeleito
4) Ângela Sousa (PSD) - Reeleita
5) Ângelo Coronel (PSD) - Reeleito
6) Antônio Henrique Júnior (PP) - Eleito para primeiro mandato
7) Eduardo Salles (PP) - Eleito para primeiro mandato
8) Euclides Fernandes (PDT) - Reeleito
9) Fátima Nunes (PT) - Reeleito
10) Gika (PT) - Eleito para primeiro mandato
11) Ivana Bastos (PSD) - Reeleita
12) Joseildo Ramos (PT) - Reeleito
13) Luiz Augusto (PP) - Reeleito
14) Luíza Maia (PT) - Reeleita
15) Marcelino Galo (PT) - Reeleito
16) Marcelo Nilo (PDT) - Reeleito
17) Maria del Carmen (PT) - Reeleita
18) Neusa Cadore (PT) - Reeleita
19) Pastor Carlos Ubaldino (PSD) - Reeleito
20) Paulo Câmera (PDT) - Reeleito
21) Paulo Rangel (PT) - Reeleito
22) Reinaldo Braga (PR) - Reeleito
23) Robério Oliveira (PSD) - Eleito para primeiro mandato
24) Roberto Carlos (PDT) - Reeleito
25) Robinho (PP) - Eleito para primeiro mandato
26) Rogério Andrade (PSD) - Reeleito
27) Rosemberg Pinto (PT) - Reeleito
28) Vítor Bonfim (PDT) - Eleito para primeiro mandato
29) Zé Raimundo (PT) - Reeleito
30) Zé Neto (PT) - Reeleito
 
Coligação Unidos para uma Bahia Melhor (DEM-PSDB-PMDB-SD-PTN-PRB-PSC-Pros) – 23 vagas (36,50%)
 
31) Adolfo Viana (PSDB) - Reeleito
32) Alan Castro (PTN) - Eleito para primeiro mandato
33) Alex da Piatã (PMDB) - Eleito para primeiro mandato
34) Alex Lima (PTN) - Eleito para primeiro mandato
35) Augusto Castro (PSDB) - Reeleito
36) Bruno Reis (PMDB) - Reeleito
37) Carlos Geílson (PTN) - Reeleito
38) Dr. David Rios (Pros) - Eleito para primeiro mandato
39) Fábio Souto (DEM) - Eleito para primeiro mandato
40) Hildécio Meireles (PMDB) - Eleito para primeiro mandato
41) Leur Lomanto Júnior (PMDB) - Reeleito
42) Luciano Ribeiro (DEM) - Eleito para primeiro mandato
43) Luciano Simões Filho (PMDB) - Eleito para primeiro mandato
44) Pablo Barrozo (DEM) - Eleito para primeiro mandato
45) Pastor José de Arimateia (PRB) - Reeleito
46) Pastor Sargento Isidório (PSC) - Reeleito
47) Pedro Tavares (PMDB) - Reeleito
48) Sandro Régis (DEM) - Reeleito
49) Sidelvan Nóbrega (PRB) - Reeleito
50) Soldado Prisco (PSDB) - Eleito para primeiro mandato
51) Targino Machado (DEM) - Reeleito
52) Tom Araújo (DEM) - Reeleito
53) Vando (PSC) - Reeleito
 
Coligação Juntos Somos Fortes (PPS-PV-PTC-PSDC-PT do B-PRP) – 4 vagas (6,34%)
 
54) Jânio Natal (PRP) - Eleito para primeiro mandato
55) Jurandy Oliveira (PRP) - Reeleito
56) Marcell Moraes (PV) - Eleito para primeiro mandato
57) Marquinhos Viana (PV) - Eleito para primeiro mandato
 
Coligação Um Novo Caminho para a Bahia (PSB-PSL-PPL) – 3 vagas (4,76%)
 
58) Fabíola Mansur (PSB) - Eleito para primeiro mandato
59) Manassés (PSB) - Eleito para primeiro mandato
60) Nelson Leal (PSL) - Reeleito
 
Partido Comunista do Brasil (PC do B) – 3 vagas (4,76%)
 
61) Fabrício Falcão (PC do B) - Reeleito
62) Raimundo Nonato Tavares (Bobô) (PC do B) - Eleito para primeiro mandato
63) Zó (PC do B) - Eleito para primeiro mandato

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Saiba quais são os deputados federais eleitos pela Bahia em 2014

Na nova composição da Câmara, a ser empossada em 1º de fevereiro de 2015, coligação proporcional encabeçada pelo PT controla bancada baiana, renovada em cerca de 41%; partidos oposicionistas e PSB somam 16 representantes
 
De um universo de 513 deputados, 39 foram eleitos pela Bahia com a missão de representar o contingente populacional do quarto maior colégio eleitoral brasileiro no Congresso Nacional
(Foto: Alan Marques/Folhapress – 02/05/2013)

Coligação Mais Mudanças, Novas Conquistas (PT-PP-PSD-PDT-PC do B-PTB-PR) – 23 vagas (58,97%)

1) Afonso Florence (PT) - Reeleito
2) Alice Portugal (PC do B) - Reeleita
3) Antônio Brito (PTB) - Reeleito
4) Benito Gama (PTB) - Eleito para primeiro mandato
5) Cacá Leão (PP) - Eleito para primeiro mandato
6) Daniel Almeida (PC do B) - Reeleito
7) Félix Mendonça Júnior (PDT) - Reeleito
8) João Bacelar (PR) - Reeleito
9) Jorge Solla (PT) - Eleito para primeiro mandato
10) José Carlos Araújo (PSD) - Reeleito
11) José Nunes (PSD) - Reeleito
12) José Rocha (PR) - Reeleito
13) Josias Gomes (PT) - Reeleito
14) Luiz Caetano (PT) - Eleito para primeiro mandato
15) Mário Negromonte Júnior (PP) - Eleito para primeiro mandato
16) Moema Gramacho (PT) - Eleito para primeiro mandato
17) Nelson Pelegrino (PT) - Reeleito
18) Paulo Magalhães (PSD) - Reeleito
19) Roberto Britto (PP) - Reeleito
20) Ronaldo Carletto (PP) - Eleito para primeiro mandato
21) Sérgio Brito (PSD) - Reeleito
22) Valmir Assunção (PT) - Reeleito
23) Waldenor Pereira (PT) - Reeleito

Coligação Unidos por uma Bahia Melhor (DEM-PSDB-PMDB-SD-PTN-PRB-PSC-Pros) – 14 vagas (35,89%)

24) Antônio Imbassahy (PSDB) - Reeleito
25) Arthur Maia (SD) - Reeleito
26) Cláudio Cajado (DEM) - Reeleito
27) Elmar Nascimento (DEM) - Eleito para primeiro mandato
28) Erivelton Santana (PSC) - Reeleito
29) Irmão Lázaro (PSC) - Eleito para primeiro mandato
30) João Carlos Bacelar (PTN) - Eleito para primeiro mandato
31) João Gualberto (PSDB) - Eleito para primeiro mandato
32) José Carlos Aleluia (DEM) - Eleito para primeiro mandato
33) Jutahy Magalhães Júnior (PSDB) - Reeleito
34) Lúcio Vieira Lima (PMDB) - Reeleito
35) Márcio Marinho (PRB) - Reeleito
36) Paulo Azi (DEM) - Eleito para primeiro mandato
37) Tia Eron (PRB) - Eleito para primeiro mandato

Coligação Juntos Somos Fortes (PPS-PV-PTC-PSDC-PT do B-PRP) – 1 vaga (2,56%)

38) Uldurico Júnior (PTC) - Eleito para primeiro mandato

Coligação Um Novo Caminho para a Bahia (PSB-PSL-PPL) – 1 vaga (2,56%)

39) Bebeto Galvão (PSB) - Eleito para primeiro mandato

Confira a relação dos novos governadores e senadores

Entre os 27 eleitos para chefiar os Executivos estaduais e do Distrito Federal, apenas onze renovaram seus mandatos; PMDB lidera lista de vitoriosos
 
Os vencedores das eleições majoritárias na Bahia: Rui Costa e Otto Alencar, futuros governador e senador, respectivamente. Ambos assumirão no início de 2015. Ao centro, a presidente reeleita Dilma Rousseff
(Foto: Ichiro Guerra/Jornal Grande Bahia – 09/10/2014)
 
Para conduzir o Poder Executivo em cada uma das 27 unidades da Federação, a partir do dia primeiro de janeiro de 2015, foram eleitos no primeiro turno, em 5 de outubro, 13 governadores. Já os 14 restantes foram definidos no segundo turno, disputado no último domingo (26), simultaneamente à reeleição de Dilma Rousseff (PT), que permanecerá por mais quatro anos na Presidência da República. Apenas 11 dos atuais governadores conseguiram renovar seus mandatos.
 
O PMDB detém a maioria dos futuros líderes estaduais, com 7, seguido do PT e do PSDB, que elegeram 5 governadores por partido, do PSB, com 3, e do PDT e PSD, com 2 cada. No entanto, PC do B, PP e Pros fizeram somente um governador por partido.
 
Além disso, renovou-se um terço da representação de cada estado e também do Distrito Federal no Senado, sendo que cinco dos 81 membros da composição atual da Câmara Alta brasileira conseguiram se reeleger para a próxima legislatura – Acir Gurgacz (PDT-RO), Álvaro Dias (PSDB-PR), Fernando Collor (PTB-AL), Kátia Abreu (PSD-TO) e Maria do Carmo Alves (DEM-SE).
 
Acre (AC)
 
Governador: Tião Viana (PT) - Reeleito no segundo turno
Senador: Gladson Cameli (PP) - Eleito para primeiro mandato
 
Alagoas (AL)
 
Governador: Renan Filho (PMDB) - Eleito no primeiro turno
Senador: Fernando Collor (PTB) - Reeleito para segundo mandato
 
Amapá (AP)
 
Governador: Waldez Góes (PDT) - Eleito no segundo turno
Senador: Davi Alcolumbre (DEM) - Eleito para primeiro mandato
 
Amazonas (AM)
 
Governador: José Melo (Pros) - Reeleito no segundo turno
Senador: Omar Aziz (PSD) - Eleito para primeiro mandato
 
Bahia (BA)
 
Governador: Rui Costa (PT) - Eleito no primeiro turno
Senador: Otto Alencar (PSD) - Eleito para primeiro mandato
 
Ceará (CE)
 
Governador: Camilo Santana (PT) - Eleito no segundo turno
Senador: Tasso Jereissati (PSDB) - Eleito para primeiro mandato
 
Distrito Federal (DF)
 
Governador: Rodrigo Rollemberg (PSB) - Eleito no segundo turno
Senador: José Antônio Reguffe (PDT) - Eleito para primeiro mandato
 
Espírito Santo (ES)
 
Governador: Paulo Hartung (PMDB) - Eleito no primeiro turno
Senadora: Rose de Freitas (PMDB) - Eleita para primeiro mandato
 
Goiás (GO)
 
Governador: Marconi Perillo (PSDB) - Reeleito no segundo turno
Senador: Ronaldo Caiado (DEM) - Eleito para primeiro mandato
 
Maranhão (MA)
 
Governador: Flávio Dino (PC do B) - Eleito no primeiro turno
Senador: Roberto Rocha (PSB) - Eleito para primeiro mandato
 
Mato Grosso (MT)
 
Governador: Pedro Taques (PDT) - Eleito no primeiro turno
Senador: Wellington Fagundes (PR) - Eleito para primeiro mandato
 
Mato Grosso do Sul (MS)
 
Governador: Reinaldo Azambuja (PSDB) - Eleito no segundo turno
Senadora: Simone Tebet (PMDB) - Eleita para primeiro mandato
 
Minas Gerais (MG)
 
Governador: Fernando Pimentel (PT) - Eleito no primeiro turno
Senador: Antônio Anastasia (PSDB) - Eleito para primeiro mandato
 
Pará (PA)
 
Governador: Simão Jatene (PSDB) - Reeleito no segundo turno
Senador: Paulo Rocha (PT) - Eleito para primeiro mandato
 
Paraíba (PB)
 
Governador: Ricardo Coutinho (PSB) - Reeleito no segundo turno
Senador: José Maranhão (PMDB) - Eleito para primeiro mandato
 
Paraná (PR)
 
Governador: Beto Richa (PSDB) - Reeleito no primeiro turno
Senador: Álvaro Dias (PSDB) - Reeleito para terceiro mandato
 
Pernambuco (PE)
 
Governador: Paulo Câmara (PSB) - Eleito no primeiro turno
Senador: Fernando Bezerra Coelho (PSB) - Eleito para primeiro mandato
 
Piauí (PI)
 
Governador: Wellington Dias (PT) - Eleito no primeiro turno
Senador: Elmano Férrer (PTB) - Eleito para primeiro mandato
 
Rio de Janeiro (RJ)
 
Governador: Luiz Fernando Pezão (PMDB) - Reeleito no segundo turno
Senador: Romário (PSB) - Eleito para primeiro mandato
 
Rio Grande do Norte (RN)
 
Governador: Robinson Faria (PSD) - Eleito no segundo turno
Senadora: Fátima Bezerra (PT) - Eleita para primeiro mandato
 
Rio Grande do Sul (RS)
 
Governador: José Ivo Sartori (PMDB) - Eleito no segundo turno
Senador: Lasier Martins (PDT) - Eleito para primeiro mandato
 
Rondônia (RO)
 
Governador: Confúcio Moura (PMDB) - Reeleito no segundo turno
Senador: Acir Gurgacz (PDT) - Reeleito para segundo mandato
 
Roraima (RR)
 
Governadora: Suely Campos (PP) - Eleita no segundo turno
Senador: Telmário Mota (PDT) - Eleito para primeiro mandato
 
Santa Catarina (SC)
 
Governador: Raimundo Colombo (PSD) - Reeleito no primeiro turno
Senador: Dário Berger (PMDB) - Eleito para primeiro mandato
 
São Paulo (SP)
 
Governador: Geraldo Alckmin (PSDB) - Reeleito no primeiro turno
Senador: José Serra (PSDB) - Eleito para primeiro mandato
 
Sergipe (SE)
 
Governador: Jackson Barreto (PMDB) - Reeleito no primeiro turno
Senadora: Maria do Carmo Alves (DEM) - Reeleita para terceiro mandato
 
Tocantins (TO)
 
Governador: Marcelo Miranda (PMDB) - Eleito no primeiro turno
Senadora: Kátia Abreu (PSD) - Reeleita para segundo turno

domingo, 26 de outubro de 2014

Dilma é reeleita para mais quatro anos de mandato presidencial

Petista vence Aécio Neves em disputa acirrada no segundo turno com 51,64% dos votos válidos e, em discurso após confirmada sua vitória, propõe diálogo e reformas desejadas pela sociedade, incluindo a política
 
Segundo Dilma, união não significa necessariamente unidade de ideias, mas também pressupõe abertura e disposição para um diálogo
(Foto: Reprodução/TV Globo)
 
Numa das mais equilibradas disputas da história recente do Brasil, a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), teve sua reeleição no segundo turno consumada na noite deste domingo (26), obtendo 54.501.118 votos, o equivalente a 51,64%. A petista, que conseguiu renovar seu mandato no Executivo nacional por mais quatro anos, derrotou o senador mineiro Aécio Neves, candidato do PSDB, que totalizou 51.041.155 sufrágios, ou 48,36%.
 
De acordo com os dados da apuração, fornecidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 1.918.936 eleitores (1,71%) votaram em branco e 5.210.173 (4,63%) decidiram anular o voto. A quantidade de abstenções neste pleito foi 30.055.530, correspondendo a 21,09% do eleitorado.
 
O resultado final das eleições também evidenciou que o país estava dividido geograficamente entre dois candidatos: enquanto Dilma liderou com ampla vantagem as urnas do Norte e do Nordeste, Aécio se saiu vitorioso nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste. Contudo, na região mais desenvolvida do Brasil, o tucano venceu em São Paulo e no Espírito Santo, enquanto a rival petista ganhou em Minas Gerais, estado de origem dos dois postulantes, e no Rio de Janeiro.
 
Mudanças necessárias
 
Ao lado do seu companheiro de chapa, o vice-presidente Michel Temer (PMDB), do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de representantes de partidos aliados, Dilma, na condição de reeleita, fez um pronunciamento num hotel de Brasília sob fortes gritos e aplausos da militância. Na ocasião, a chefe do Executivo nacional reiterou seu compromisso nas mudanças que o povo brasileiro anseia, em especial a reforma política, e também na habilidade em dialogar com setores sociais e políticos heterogêneos.
 
"O debate das ideias, o choque de posições, pode produzir espaços de consensos, capazes de mover nossa sociedade nas trilhas de mudanças que tanto necessitamos. (...) Nas democracias maduras, união não significa, necessariamente, unidade de ideias, nem ação monolítica conjunta. Pressupõe, em primeiro lugar, a abertura e disposição para um diálogo. Esta presidenta (sic) aqui está disposta ao diálogo, e é este o meu primeiro compromisso do segundo mandato: diálogo", discursou, emocionada.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Ibope e Datafolha mostram Dilma à frente de Aécio; Sensus aponta liderança do tucano

Pesquisas divulgadas ontem e hoje por três institutos de opinião são as últimas antes do segundo turno das eleições presidenciais
 
Com informações das agências
 
Enquanto Ibope e Datafolha preveem a vitória da candidata petista à reeleição sobre adversário do PSDB, novo levantamento encomendado pela IstoÉ expressa cenário inverso
(Fotos: Reprodução)
 
As novas pesquisas do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) e do Instituto Datafolha, divulgadas nesta quinta-feira (23), revelam que Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição, aparece na frente de Aécio Neves (PSDB) nas intenções de voto do segundo turno. Os dois levantamentos são os últimos realizados pelos respectivos institutos antes do pleito deste domingo (26).
 
Na pesquisa que avalia a preferência dos eleitores em relação aos candidatos à Presidência da República, encomendada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo, a petista abriu 8 pontos de vantagem sobre Aécio, liderando com 49%, enquanto o adversário tucano detém 41%. Votos brancos e nulos somam 7%, e 3% dos eleitores entrevistados não souberam ou não opinaram.
 
Se for levada em consideração a amostra de votos válidos, que exclui os percentuais de brancos, nulos e indecisos, Dilma venceria a disputa com 54% contra 46% de Aécio. O Ibope também diagnosticou o índice de rejeição dos candidatos, no qual o senador mineiro lidera com 42%, seguido da petista, que aparece com 36% dos votos.
 
O instituto ouviu 3.010 eleitores de 203 municípios brasileiros no período de 20 a 22 de outubro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento do Ibope foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01168/2014.
 
Favoritismo petista
 
Conforme a pesquisa do Datafolha, Dilma Rousseff também confirma seu favoritismo nas urnas, pontuando 48% das probabilidades de vitória, ao passo que Aécio Neves aparece com 42% da preferência do eleitorado. Brancos e nulos acumulam 5%, mesmo percentual dos que se declararam indecisos.
 
A sondagem, feita por encomenda da TV Globo e do jornal Folha de S. Paulo, demonstra ainda que a atual presidente mantém a dianteira na aferição em que são computados os votos válidos, nos quais brancos, nulos e indecisos são excluídos, figurando com 53%. Já o candidato do PSDB detém 47%.
 
O Datafolha também perguntou aos eleitores quantos deles tinham certeza do seu voto. De acordo com o instituto, 46% votariam com certeza em Dilma, 15% talvez votassem na postulante do PT, que tenta chegar ao seu segundo mandato, 37% não votariam de jeito nenhum e 1% não sabe. No tocante a Aécio, 39% votariam com certeza no presidenciável tucano, 18% talvez votassem nele, 41% não votariam de jeito nenhum e 2% não sabem.
 
9.910 eleitores de 399 municípios brasileiros foram entrevistados pelo Datafolha entre os dias 22 e 23 de outubro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no TSE sob o número BR-01162/2014.
 
Sensus coloca Aécio na dianteira
 
Ao contrário dos prognósticos elaborados pelo Ibope e pelo Datafolha, o Instituto Sensus, em sua sexta pesquisa encomendada pela revista IstoÉ para o segundo turno das eleições presidenciais, indica que Aécio justamente reverteu o quadro. Liderando com 48,1% da predileção do eleitorado, o tucano venceria Dilma com 40%. Apenas 11% votariam em branco ou nulo ou são indecisos.
 
Desconsiderando os votos brancos e nulos e também os indecisos, Aécio continua disparado, com 54% dos votos válidos, enquanto Dilma pontuou 45,4%. O Instituto Sensus entrevistou 2 mil eleitores em 24 estados entre 21 e 24 de outubro. A sondagem foi registrada no TSE sob o número BR-01166/2014.

Tribunal de Justiça da Bahia lança edital de concurso público

Estão sendo ofertadas 200 vagas para os cargos de Técnico Judiciário, de níveis médio e médio técnico, e Analista Judiciário, de nível superior, com salários de R$ 3.091,21 e R$ 5.117,24, respectivamente. Candidatos deverão se inscrever via internet a partir de quarta-feira
 
70% dos aprovados no processo seletivo do tribunal serão lotados em cartórios judiciais
(Foto: Divulgação)
 
Foi publicado, na edição desta quinta-feira (23) do Diário da Justiça Eletrônico, o edital do concurso público destinado ao provimento dos cargos do quadro de pessoal do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA). De acordo com o documento, estão sendo oferecidas 200 vagas para os cargos de Analista Judiciário, direcionados a candidatos com nível superior completo, e Técnico Judiciário, que exige os níveis de escolaridade médio ou médio técnico.
 
Subscrito pelo presidente do TJBA, desembargador Eserval Rocha, e pelo corregedor-geral da Justiça do estado, desembargador José Olegário Monção Caldas, o edital notifica a oferta de 107 oportunidades para os cargos de nível superior, 81 para nível médio e 12 para nível médio técnico, com formação de cadastro de reserva. O tribunal também deliberou que 70% dos candidatos a serem aprovados no processo seletivo serão lotados em cartórios judiciais.
 
As vagas correspondentes aos cargos de Analista Judiciário contemplam as seguintes especialidades: Direito (65), Administração (1), Arquitetura (2), Assistência Social (2), Biblioteconomia (1), Comunicação com habilitação em Jornalismo (1), Contabilidade (1), Economia (1), Enfermagem (1), Engenharia Civil (1), Engenharia Elétrica (1), Engenharia Mecânica (1), Estatística (1), Medicina (6), Odontologia (3), Psicologia (2) e Tecnologia da Informação (11), além de 6 vagas na área administrativa, válidas para qualquer área de formação acadêmica.
 
Já os cargos de Técnico Judiciário acumulam 93 oportunidades, pertinentes às áreas judiciária (75), administrativa (6) e de Tecnologia da Informação (12). Os subsídios são de R$ 3.091,21 para níveis médio e médio técnico, e R$ 5.117,24 para nível superior, acrescidos de auxílio-alimentação e auxílio-transporte. A carga horária semanal de trabalho equivale a 30 horas para todos os níveis de escolaridade.
 
Com abertura a partir das 14 horas da próxima quarta-feira (29), as inscrições para o concurso serão efetuadas até às 23:59 do dia 4 de dezembro, somente na página disponível no endereço eletrônico da FGV Projetos, divisão da Fundação Getúlio Vargas (FGV) responsável pela realização do certame (www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/tjba), onde os interessados também já podem consultar o edital. Para confirmar a inscrição, é obrigatório pagar uma taxa nos valores de R$ 68, para níveis médio e técnico, e R$ 85, para nível superior.
 
Atendendo a uma antiga reivindicação de juízes e servidores, concurso do TJBA fora anunciado pelo presidente Eserval Rocha
(Foto: Edilson Lima/Agência A Tarde)
 
Como o concurso será aplicado
 
Segundo o edital, a seleção dos candidatos aos cargos de Analista Judiciário do TJBA se dará por meio de três etapas: prova escrita objetiva e prova escrita discursiva, ambas de caráter eliminatório e classificatório, e avaliação de títulos, de caráter classificatório e aplicada somente para os aprovados na prova discursiva. Entretanto, os concorrentes aos cargos de Técnico Judiciário serão selecionados através de duas etapas: prova escrita objetiva e prova escrita discursiva, todas de caráter eliminatório e classificatório.
 
As avaliações objetivas e discursivas serão realizadas simultaneamente nas cidades de Barreiras, Feira de Santana, Ilhéus, Juazeiro, Porto Seguro, Salvador e Vitória da Conquista no dia 25 de janeiro de 2015, mas em horários diferenciados dependendo do cargo desejado: das 8 às 12 h (Técnico Judiciário) e das 14:30 às 19:30 (Analista Judiciário), observando o horário do estado da Bahia.
 
O conteúdo das provas escritas objetivas, para ambos os níveis, inclui questões de múltipla escolha, que abrangem as disciplinas pertencentes ao Módulo de Conhecimentos Básicos - Língua Portuguesa, Legislação Específica e Noções de Informática (esta última excetuada da área de Tecnologia da Informação) -, acrescentadas aos Conhecimentos Específicos da área determinada. Já a prova escrita discursiva consistirá de uma redação, em gênero dissertativo-argumentativo, que versará sobre um tema alusivo ao cargo, com mínimo de 20 e máximo de 30 linhas.
 
Anunciado pelo presidente do TJBA, desembargador Eserval Rocha, no início de sua gestão, o concurso é uma antiga reivindicação dos magistrados e servidores da corte, depois de nove anos de espera. Os certames mais recentes, segundo a assessoria de imprensa do órgão, foram realizados em janeiro de 2005, com vagas destinadas a serventias judiciais; e em 2006, para os Juizados Especiais, que possuem legislação própria e rito diferenciado.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

No TCA, Gal Costa reflete seu dom da voz em "Espelho d'Água"

Acompanhada somente pelas cordas da guitarra e do violão, cantora traz a Salvador seu inédito show, cujo repertório inclui clássicos que marcaram sua carreira. Ingressos para o espetáculo, que será apresentado em novembro, já estão à venda
 
Com informações dos portais A Tarde, Correio* 24 Horas e G1 Bahia
 
Gal está seguindo turnê por várias cidades brasileiras. Em São Paulo, por exemplo, show se tornou sucesso de público e crítica
(Foto: André Schiliró/Divulgação)
 
Absolutamente uma das mais renomadas divas da Música Popular Brasileira (MPB), Gal Costa regressa à sua terra natal para interpretar canções que refletem os mais de quarenta e cinco anos de carreira da artista em seu novo show "Espelho d'Água". O espetáculo intimista, inédito em Salvador, será apresentado no dia 8 de novembro, um sábado, na Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA), a partir das 21 horas.
 
Sucesso de público que ganhou repercussão instantânea da crítica especializada em São Paulo, onde a turnê estava em curta temporada no mês de agosto, a cantora baiana apresentou um repertório imprevisível, focado em músicas que há tempos ela não cantava ao vivo. Assim como na pauliceia, Gal terá, na apresentação soteropolitana, apenas a companhia do guitarrista e violonista Guilherme Monteiro.
 
A canção que empresta nome ao espetáculo, que já circulou por outras cidades do país, é fruto de uma parceria entre o cantor e compositor carioca Marcelo Camelo e seu irmão Thiago Camelo, autor da letra. A inclusão de Espelho d'água no álbum que Gal está preparando, com produção de Kassin e Moreno Veloso e sucessor do aclamado Recanto (2011) - também produzido por Moreno, mas juntamente com seu pai Caetano -, já está garantida.

Retrospectiva musical

Criteriosamente selecionado pelo jornalista Marcus Preto, que também divide com a cantora a direção de "Espelho d'Água", o repertório do impactante e dinâmico show a ser transplantado para o TCA, que possui duração de 90 minutos, aborda uma síntese retrospectiva dos temas transformados em clássicos pela voz límpida, cristalina e preciosa de uma das expoentes femininas de nossa música, estigmatizados por números memoráveis.
 
No palco, Gal Costa ostentará seus maiores sucessos, entre os quais Coração vagabundo (Caetano Veloso) - faixa de abertura do seu primeiro álbum, o pré-tropicalista Domingo (1967), gravado ao lado do próprio Caetano -, Vaca profana e Você não entende nada, ambas também de autoria dele, Folhetim (Chico Buarque), Sua estupidez (Roberto e Erasmo Carlos), e Volta (Lupicínio Rodrigues, 1914-1974).
 
Os ingressos para "Espelho d'Água" já estão sendo vendidos desde esta segunda-feira (20) nas bilheterias do TCA, nos postos do teatro localizados nas unidades do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) dos shopping centers Barra e Bela Vista e também pela internet, através do site www.compreingressos.com. As entradas, inteira ou meia, podem ser adquiridas nos valores que variam de R$ 60 a R$ 240.
 
Com duração de 90 minutos, "Espelho d'Água" aborda um resumo dos temas que cantora eternizou em sua voz cristalina
(Foto: Flávio Moraes/G1)

Serviço
 
Espetáculo: "Espelho d'Água"
 
Artistas: Gal Costa (voz) e Guilherme Monteiro (guitarra e violão)
 
Direção: Marcus Preto e Gal Costa
 
Data e horário: 8 de novembro (sábado), a partir das 21 horas - Única apresentação
 
Local: Teatro Castro Alves (TCA)
 
Endereço: Largo do Campo Grande, s/nº, Salvador - BA
 
Classificação: Livre
 
Ingressos: À venda nas bilheterias do TCA, nos postos do teatro localizados nos SACs dos shopping centers Barra e Bela Vista e no site www.compreingressos.com
 
Informações: (71) 2626-5071

Valores dos ingressos

Filas de A a P: R$ 240 (inteira) e R$ 120 (meia)
Filas de Q a Z5: R$ 180 (inteira) e R$ 90 (meia)
Filas de Z6 a Z11: R$ 120 (inteira) R$ 60 (meia)
 
Conheça a canção inédita Espelho d'água, que dá nome ao show que Gal levará para Salvador no dia 8 de novembro, escutando-a no vídeo abaixo.

O registro audiovisual em questão foi extraído de uma apresentação da turnê no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, em 29 de setembro. A letra encontra-se disponibilizada logo após o vídeo.
 


Espelho d'água

Música: Marcelo Camelo
Letra: Thiago Camelo

Toda sorte de paz
Rodeia os nossos passos
Não sinto mais o tempo, oh flor
Teus olhos põem o sol de amor


Eu vi a revoada
O mar, estrela e o nada
Os olhos da morena
E o nosso espelho d'água


A solidão, o sal lavou
Alcança os seus abraços
O mar cuidou do tempo, oh flor
Semeia o nosso céu de amor


Eu vi a revoada
O mar, estrela e o nada
Os olhos da morena
E o nosso espelho d'água

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Oficina expõe "case" de edifício modelo de sustentabilidade

Nova sede do Sinduscon-BA teve seu projeto apresentado em evento organizado pelo Iel que discutiu a inovação ecoeficiente
 
Com informações da assessoria de comunicação do Iel-BA
 
Projeto do edifício do sindicato da construção civil usou atributos sustentáveis práticos e acessíveis, salienta engenheira
(Foto: Divulgação/Sinduscon-BA)
 
Com o objetivo elementar de debater os parâmetros inovadores das empresas para atender seus clientes por meio de uma gestão eficiente, produtiva e sustentável, resultando no alcance da competitividade, o Instituto Euvaldo Lodi (Iel), organismo vinculado ao Sistema Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), promoveu a Oficina de Inovação Ecoeficiente, que chegou à sua terceira edição.
 
O programa de capacitação, realizado entre o final de setembro e o começo deste mês, contou com a presença de nove empresas inseridas em diferentes ramos, como confecções, paisagismo, refrigeração e tratamento de ar condicionado, saneamento básico e tecnologia da informação (TI). Elas participaram de 32 horas de atividades a fim de otimizar suas estratégias de atuação, com vocação precípua para a ecoeficiência.
 
Um dos itens expostos na oficina, que induziu os participantes a ampliarem os horizontes do conhecimento inerente ao assunto de maneira dinâmica e interativa, foi o case do exitoso projeto arquitetônico do novo edifício-sede do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon-BA), situado no bairro da Pituba, em Salvador, apontado como modelo de sustentabilidade.
 
Coube à engenheira Natasha Thomas, assessora técnica no processo de implantação do edifício do sindicato patronal, expor o seu projeto, no qual atributos de sustentabilidade práticos e acessíveis foram consolidados. Natasha frisou que as edificações contemporâneas podem ser sustentáveis com detalhes que, unidos, fazem uma grande diferença na construção e na manutenção de obras de impacto positivo para a fisionomia urbana.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Para Bebeto, PSB é apontado como terceira via

Deputado federal eleito diagnosticou que legenda, embora não obtivesse êxito em níveis nacional e estadual, saiu mais fortalecida deste pleito do que entrou

Bebeto (à direita) será o único representante socialista da Bahia na Câmara a partir de 1º de fevereiro de 2015
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
O futuro deputado federal Bebeto Galvão (PSB-BA) reconheceu a qualidade de terceira via do partido nas figuras de Marina Silva e Lídice da Mata, ex-candidatas aos governos federal e estadual, respectivamente. Entretanto, segundo ele, sua agremiação não logrou êxito nas urnas em ambas as instâncias, uma vez que "as máquinas produziram um prensamento da nossa candidatura" em função do poder econômico que incentiva a desestruturação das bases políticas na atualidade.
 
Ainda de acordo com Bebeto, o PSB saiu mais robustecido das eleições gerais, realizadas no último dia 5, do que entrou no páreo. "Saímos debatendo as nossas ideias, apresentando propostas para a Bahia, e (a senadora) Lídice da Mata demonstrou que, dentre os candidatos que se apresentaram ao pleito de 2014, ser a candidata melhor preparada (foi a terceira colocada na disputa). Lamentavelmente, nós não tivemos a acolhida da população e temos que respeitar a decisão do nosso povo", diagnosticou o parlamentar eleito.
 
O fortalecimento da musculatura socialista também reconfigurou o quadro eleitoral na Bahia. Nessa perspectiva, entre os três deputados estaduais eleitos pela coligação da qual o PSB fez parte, dois deles, Manassés e a vereadora de Salvador Fabíola Mansur, ambos novatos na Assembleia Legislativa, pertencem ao partido. Além disso, a legenda na Bahia restaurou sua presença no Congresso Nacional, colocando Bebeto para representar a população do estado na Câmara entre os 39 postulantes mais votados.
 
"O fato de termos recuperado a nossa presença no Congresso Nacional, por si só, independentemente do resultado eleitoral para a majoritária, significa que nós saímos maior do que nós entramos. E saímos maior com o esforço de Milton (Bezerra Filho, professor surdo e candidato derrotado a deputado federal), com o esforço de todos os candidatos a deputado federal, a deputado estadual, que esse é o esforço do PSB, que aqui nós somos todos o mesmo projeto. E, nesse sentido, o PSB saiu fortalecido", esclareceu.
 
Fenômeno recorrente não apenas no Brasil, mas que se observa também em qualquer parte do mundo, as terceiras vias têm se afirmado como segmento do confronto entre dois polos que se digladiam nos processos eleitorais. "Este é um caminho que nós vamos perseverar", reiterou o historiador e líder sindical de prestígio, natural da cidade de Ilhéus, na região sul da Bahia, escolhido por 1,94% do eleitorado.
 
Saldo efetivo
 
Questionado sobre sua postura num provável segundo mandato presidencial de Dilma Rousseff (PT), Bebeto Galvão verificou que, ao traçar um paralelismo entre o governo dela e o de seu padrinho e mentor Luiz Inácio Lula da Silva, bem como os que lhes antecederam, o resultado gerado pelas políticas públicas é mais efetivo nos últimos doze anos. Levando em conta as ações realizadas por Lula comparativamente com aquelas promovidas por Fernando Henrique Cardoso (PSDB), por exemplo, o saldo teve um crescimento superior.
 
As gestões de Lula e Dilma, somadas, avançaram eficazmente nas políticas de natureza social, como as iniciativas de valorização salarial, proteção social aos deficientes, saúde, educação e qualificação profissional. "Nós temos um conjunto de medidas e políticas que efetivamente são muito melhores do que aquelas que foram praticadas pelo governo Fernando Henrique", pontuou o único representante do PSB-BA na Câmara, que será empossado em Brasília em 1º de fevereiro de 2015.
 
Sobre o panorama econômico brasileiro, Bebeto explicitou que, se for estudada a contextualização histórica recente do país, mesmo não sendo observado o centro da meta inflacionária, nunca os índices de inflação não estiveram mais baixos do que se encontram no atual momento. Porém, na acepção do socialista, os níveis inflacionários já estão no centro da meta. "O que eles dizem que a inflação está galopante e que ela retoma o dragão para corroer o salário dos trabalhadores, não é verdade", criticou.
 
O processo de estabilidade da economia, aliado ao estímulo à formalidade do emprego, na avaliação de Bebeto, expressa claramente que existe uma segurança e uma valorização social do trabalho mais eficaz do que houve no passado. "Se compararmos os dados de qualquer governo da Dilma e do Lula com o do Fernando Henrique, nós temos um crédito enorme em função das políticas públicas, mas também do aprofundamento da democracia e da participação popular à vida nacional", presumiu.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Bebeto afirma que país vive dois projetos políticos contrários

Único membro do PSB baiano eleito para a Câmara dos Deputados, sindicalista e historiador utilizou contextos díspares da história do Brasil para justificar polarização no segundo turno entre Dilma Rousseff e Aécio Neves
 
"Nós estamos no momento em que a elite brasileira, representada pelo Aécio, tem a oportunidade de tomar o controle do poder político neste país", declarou Bebeto Galvão (à esquerda)
(Foto: Hugo Gonçalves)

Eleito deputado federal pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) com 96.134 votos registrados, o que corresponde a 1,94%, de acordo com estimativas do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), o sindicalista Adalberto Galvão, mais conhecido como Bebeto, disse que o Brasil está vivenciando, no segundo turno da sucessão presidencial, dois projetos político-ideológicos contraditórios que precisam ser historicamente interpretados.
 
Para ilustrar melhor o antagonismo que baliza o pleito deste domingo (26), nitidamente cristalizado na polarização entre os candidatos Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), o único socialista escolhido para representar o povo baiano na Câmara, que também é historiador, expôs um breve recorte da história contemporânea do país, examinando o que aconteceu no decênio compreendido entre 1954 e 1964.
 
Durante esse intervalo, na análise de Bebeto, houve tentativas, por parte de movimentos populares, sociais e da juventude, de edificação de um projeto que impulsionaria o desenvolvimento nacional e o aprofundamento democrático. Tal tentativa progressista, caracterizada pelas designadas "reformas de base" ambicionadas por João Goulart (1918-1976) no início de 1964, foi bruscamente interrompida pelo golpe militar daquele ano, que depôs o então presidente civil.
 
"Esta relação dessas quadras históricas com o momento que nós estamos vivendo tem muito a ver (com as eleições). Nós estamos no momento em que a elite brasileira, representada pelo Aécio, tem a oportunidade de tomar o controle do poder político neste país", salientou, em discurso proferido na reunião em que o PSB baiano confirmou o apoio à reeleição de Dilma, organizada na segunda-feira passada (13), em Salvador.
 
Bebeto Galvão afirmou ainda que a classe dominante nacional age com enorme potencial para eleger um Congresso que, na sua opinião, é "talvez dos mais conservadores desses últimos anos", tendo como consequência a retração do índice de participação e representatividade populares em ambas as casas do Legislativo federal - Câmara e Senado.
 
"De um lado, você vê a bancada da classe dos trabalhadores, do outro lado, os que representam a juventude; e você vê portanto a marca de um Congresso como esforço da elite brasileira, se não ganhar o poder central, mas tomar de certa forma parte do Parlamento nacional e por ela realizar as medidas e as mudanças que desejam à elite nacional", sublinhou.
 
Projetos de decisão da sociedade
 
Ao esboçar um paralelo entre circunstâncias históricas díspares do Brasil, sobretudo nos últimos doze anos, Bebeto assinalou que iniciativas como a política de cotas nas universidades, o Programa Universidade para Todos (ProUni), o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e o avanço da reforma agrária foram obtidas nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
 
Segundo o futuro congressista, todas as ações por ele enumeradas, cuja implementação não se manifestou nas gestões de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), antecessor de Lula, "devem ser consideradas por nós como projetos não da Dilma, como projetos não do (governador eleito) Rui (Costa, PT), como projetos não do (governador Jaques) Wagner (PT), mas o projeto de decisão da sociedade".
 
A administração de Dilma Rousseff, apesar de sucedânea à do seu padrinho político, segue, em linhas gerais, um itinerário herdado dos governos passados, inclusive o de FHC. Portanto, nem todos eles, obviamente, são idênticos. "Um (governo) tem uma capacidade criativa maior do que o outro, mas os fundamentos da macroeconomia e do conjunto de políticas públicas e sociais foram mantidos integralmente pela presidente Dilma", argumentou Bebeto.
 
Sustentabilidade democrática
 
O esforço conduzido pelo PSB em nível nacional, para o deputado federal eleito, transparece na magnitude da resistência e das lutas contínuas pela democracia, assiduamente construídas pelo partido, em seus momentos de avanço e recuo. Além disso, a legenda, para Bebeto, foi uma das responsáveis pela sustentabilidade democrática do governo federal, mas também por um sistema de políticas tidas como primordiais para os brasileiros.
 
"Nós não podemos negar aquilo que nós próprios fomos capazes de realizar, e muito do que tem aí de bom tem a marca do PSB, mas também as queixas e as contradições. Não é que nós estabelecemos no interior do projeto tem a clareza do que nós realizamos para dar um passo à frente e evitar aquilo que a velha política tomou e assaltou o governo. Então, o PSB, na fronteira desses projetos, tem clareza do seu caminho", disse.
 
No ponto de vista do deputado eleito, a agremiação socialista promove uma trajetória voltada mais para a emocionalidade do que para a racionalidade política, com o objetivo necessário de fazer o Brasil progredir de forma equânime. Ele disse ainda que o PSB da Bahia, sob a liderança da senadora Lídice da Mata - candidata derrotada ao governo do estado -, fez "um bom combate" no interior do partido, aludindo ao posicionamento local adotado em contraste à deliberação nacional pela adesão a Aécio Neves.
 
Bebeto Galvão declarou que seus correligionários, em âmbito estadual, estão sintonizados com um "projeto que está com a nossa cara, com o nosso corpo e com a nossa energia", traduzido na campanha de Dilma. "Para nós, não é uma questão de oportunismo. É uma questão de definição ideológica do nosso caminho, do que nós nos sentimos, do que nós representamos e da nossa própria história como homens e mulheres", corroborou.
 
"E se nós termos um pouco da nossa vida, que é a biografia, façamos valer a nossa biografia para que o resultado não seja da Dilma, para que o resultado seja do nosso povo", finalizou Bebeto, propondo que a mandatária nacional, caso seja reeleita no próximo dia 28, faça uma administração que aprofunde a democracia e realize um conjunto de políticas públicas fortalecedoras da dignidade humana.

domingo, 19 de outubro de 2014

Inscrições para concurso de docentes da UFSB estão abertas

Processo seletivo de universidade do sul da Bahia irá preencher 23 vagas para cargos de professor adjunto; interessados podem se inscrever até 10 de novembro, apenas pela internet
 
Oportunidades são distribuídas para os campi de Itabuna (acima), Porto Seguro e Teixeira de Freitas, com salários de R$ 8.344,64
(Foto: Divulgação)
 
Continuam abertas as inscrições para o concurso público para docentes da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). O processo seletivo de provas e títulos da instituição federal visa o provimento efetivo de vagas da carreira de magistério superior, para cargos de professor adjunto classe A, nível 01, nas múltiplas áreas do conhecimento.
 
De acordo com o edital do certame, a universidade oferece 23 oportunidades, distribuídas para os campi Jorge Amado, em Itabuna, Sosígenes Costa, em Porto Seguro, e Paulo Freire, em Teixeira de Freitas, com remuneração de R$ 8.344,64. Os aprovados irão trabalhar em regime de Dedicação Exclusiva (DE), e, para isso, é necessária titulação de doutorado em determinada área de acordo com a vaga pretendida.
 
Para concorrer a uma delas, os interessados precisam se inscrever exclusivamente pela internet até o dia 10 de novembro, na página hospedada no portal da instituição, onde também está disponibilizado para consulta o edital com todas as informações, incluindo quadro de vagas, remuneração, titulação exigida e lista de pontos. A taxa de inscrição é de R$ 300, paga nas agências do Banco do Brasil por meio da Guia de Recolhimento da União (GRU).

Certame consiste em três etapas

O concurso público da UFSB consistirá em três etapas diferentes: prova escrita e prova de títulos, ambas de caráter eliminatório; e provas orais, de caráter classificatório. Essa última etapa engloba a prova didática e a prova de arguição do plano de trabalho acadêmico.

Segundo o edital, as provas escritas serão aplicadas simultaneamente nas cidades de Brasília, Itabuna, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Porém, se houver maior concentração de candidatos inscritos, as avaliações serão realizadas em locais divulgados no site da universidade com antecedência mínima de 20 dias.

O documento ainda estabeleceu as datas prováveis para as etapas do certame. A prova escrita será aplicada em 7 de dezembro, a prova de títulos, no período de 15 a 17 do mesmo mês, e as provas orais, entre 12 e 19 de janeiro de 2015.