quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Novos horizontes para uma futura designer

Entrevista: Patrícia Castro

Ex-funcionária do ramo de telemarketing, que atualmente cursa Design Gráfico no Senac, espera que o curso lhe possibilite uma melhor comunicação

Natural do município paulista de Carapicuíba, Patrícia se transferiu para Salvador aos 5 anos
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Nome: Patrícia Antunes Castro
 
Apelidos: Tem Paty, tem Ciça, tem Erva...
 
Idade: 25 anos (nascida em 12 de setembro de 1988)
 
Estado civil: Solteira
 
Onde nasceu: Carapicuíba, na Grande São Paulo (mora em Salvador desde os 5 anos)
 
Bairro onde reside atualmente: Itapuã
 
O que você mais gosta de fazer?
 
Gosto de ler livros de literatura brasileira, páginas da web e jornais, de dançar e de limpar minha casa.
 
O que você menos gosta de fazer?
 
Não ficar ociosa e cozinhar.
 
Qual foi sua experiência profissional?
 
Trabalhei por dois anos na empresa Atento como operadora de telemarketing, e por mais dois anos na empresa Contax como agente de telemarketing.
 
Se tivesse que ser um animal, que animal seria e por quê?
 
Seria um passarinho porque conheceria lugares diferentes e a sensação de voar sem um meio automotor seria ótimo.
 
Quais são suas expectativas do curso como aluna?
 
Espero que o curso me traga novos horizontes, onde eu possa me comunicar melhor com as pessoas.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Aprovada criação da Frente das Baianas

Proposto por vereadora socialista, colegiado propõe ações que defendem o ofício das baianas de acarajé e outros patrimônios imateriais da Bahia, como a capoeira

Com informações da assessoria de imprensa de Fabíola Mansur
 
Frente das Baianas será composta pela idealizadora Fabíola Mansur (acima) e por mais quatro colegas de parlamento
(Foto: Valdemiro Lopes/CMS)
 
Vereadores de Salvador aprovaram a criação da Frente Parlamentar em Defesa do Patrimônio Imaterial, já conhecida como Frente em Defesa das Baianas de Acarajé. A proposta tem autoria da líder do PSB na Câmara Municipal, vereadora Fabíola Mansur, que comemorou a aprovação na última quinta-feira (24), no plenário Cosme de Farias da Casa Legislativa.
 
Cabe ao colegiado, em consonância com o projeto, propor, analisar e desenvolver estudos e projetos, além de fiscalizar e viabilizar iniciativas dos poderes Executivo e Legislativo que objetivam a promoção de ações vinculadas à defesa dos patrimônios imateriais do ofício das baianas de acarajé, do samba de roda do Recôncavo, da capoeira e da Festa do Nosso Senhor do Bonfim.
 
Tendo Fabíola Mansur como requerente, a Frente das Baianas será constituída por ela e por mais quatro colegas de plenário, que cooperaram na concretização da proposta. São eles, a saber: Aladilce Souza (PC do B), Edvaldo Brito (PTB), Gilmar Santiago (PT) – líder da bancada oposicionista na Câmara – e Sílvio Humberto (PSB).
 
Em audiência realizada em setembro, foi debatida decisão judicial que torna proibida a venda do acarajé nas praias
(Foto: Antônio Queirós/CMS – 19/09/2013)
 
Ideia surgiu de audiência
 
Segundo a assessoria de imprensa da líder socialista na Casa, a ideia de criar a frente parlamentar, agora sacramentada, originou-se a partir da audiência pública “Baianas de Acarajé: impactos do Decreto 12.175/98”, ocorrida em 19 de setembro, no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador, e convocada pela própria edil.
 
O encontro, que contou com a presença de vereadores, membros da categoria e representantes dos governos estadual e municipal, debateu na ocasião a liminar do juiz da 13ª Vara Federal, Carlos d’Ávila, que proíbe o comércio fixo do bolinho de feijão imerso em azeite de dendê aquecido na areia das praias soteropolitanas. “Junto com as baianas, apresentarei um pedido à prefeitura de adiamento da portaria que proíbe a atividade”, solicitou Fabíola.
 
Tanto as baianas de acarajé quanto a prefeitura estão à beira de um impasse, a pretexto de o Poder Executivo municipal reivindicar a desmontagem dos tabuleiros onde são comercializados o quitute e outras iguarias típicas. A prefeitura alega que a decisão judicial que determinou a retirada das barracas de praia seja estendida às baianas, que prometem, como forma de protesto, ficar 24 horas sem oferecer aos degustadores o tradicional bolinho.
 
Prefeitura reivindica desmontar os tabuleiros onde famosa iguaria é comercializada
(Foto: Divulgação)

sábado, 26 de outubro de 2013

Veja galeria com fotos do parque de lazer da Boca do Rio

Salvador recebeu uma agradável opção de entretenimento em sua orla marítima. O Parque de Lazer e Esporte da Boca do Rio, implantado numa área de 80 mil metros quadrados onde funcionava a degradada sede de praia do Esporte Clube Bahia e uma casa de espetáculos anexa, foi inaugurado recentemente pelo prefeito ACM Neto (DEM).
 
Na galeria fotográfica abaixo, confira imagens do novo espaço que ocupa um mirante à beira-mar, trecho que sinaliza o início do plano de revitalização da orla da capital baiana, que vai da praia suburbana de Tubarão à região de Itapuã, já na porção atlântica. Todas as fotos foram capturadas por Hugo Gonçalves, morador do bairro há 23 anos.
 
Parte 1 - Vistas gerais e estacionamento
 
 
 
 
 
Parte 2 - Vistas parciais do espaço para o mar
 



 
Parte 3 - Equipamentos de lazer
 



 
 
Parte 4 - Ciclovia e pista de cooper
 





 
Parte 5 - Ponte sobre o Rio das Pedras



Boca do lazer e do esporte

Situado na Boca do Rio, na área antes ocupada pelo degradado clube do Bahia, novo parque faz parte do pacote de requalificação da orla marítima de Salvador
 
Com informações da Agecom
 
Intervenção no local custou à prefeitura o montante aproximado de R$ 4 milhões, aplicados com contrapartida da Odebrecht pelo emissário submarino
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
O que era um nítido rastro de abandono à beira-mar passou a ser, em definitivo, convertido em sinônimo de diversão para a população soteropolitana, em geral para aqueles que vivem no entorno da orla. Um novo espaço lúdico e esportivo no bairro da Boca do Rio, circundado de área verde e completamente equipado, foi entregue aos moradores do bairro e de suas adjacências para, finalmente, desfrutar.
 
Trecho inaugural do plano de requalificação da orla marítima de Salvador, tocado pela atual gestão municipal com coragem, tenacidade e obstinação, o Parque de Lazer e Esporte foi erguido no terreno da antiga sede de praia do Esporte Clube Bahia, que se encontrava em condições precárias e anacrônicas, onde também abrigava uma casa de espetáculos e eventos anexa ao clube.
 
Orçada em cerca de R$ 4 milhões com contrapartida da construtora Odebrecht pela construção do emissário submarino, a obra levou sete meses para ser concluída, sendo inaugurada há duas semanas pelo prefeito ACM Neto (DEM). As secretarias municipais de Ordem Pública (Semop) e de Infraestrutura e Defesa Civil (Sindec), por meio da Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop), com o respaldo da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), se responsabilizaram pela execução dos serviços.
 
Conforme a assessoria da prefeitura, o trecho revitalizado, localizado numa área estimada em 80 mil metros quadrados, consiste em um parque completo de lazer, com ciclovia, pista de cooper, espaços apropriados para exercitar outras modalidades esportivas, quiosques, bancos, mesas, brinquedos infantis e equipamentos de ginástica confeccionados em madeira e aço.
 
Construída sobre o poluído Rio das Pedras, ponte em concreto armado interliga o parque às quadras de esporte já existentes
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Circulando e apreciando o mar
 
A intervenção na orla da Boca do Rio também trouxe aos beneficiados um espaço livre com paisagismo, no qual foram executados o rebaixamento do talude e a implantação do gramado, onde os frequentadores podem circular pelo local e apreciar a paisagem e a brisa aprazíveis que emanam do Oceano Atlântico. Para reforçar a estrutura, foram instalados posto de salva-vidas, bicicletário e sanitários químicos portáteis.
 
Nas imediações do parque, propondo adquirir mais mobilidade, ampliou-se a calçada, que recebeu rampas de acessibilidade. O sistema de sinalização foi aprimorado e o de iluminação pública, reestruturado, implantando luminárias com lâmpadas mais potentes.
 
Edificou-se, ainda, uma ponte em concreto armado sobre a foz do poluído Rio das Pedras, de trânsito exclusivo para pedestres e ciclistas, com a finalidade de conectar o moderno espaço de lazer ao já existente complexo de quadras de esporte, além de construir um estacionamento e requalificar a pavimentação parcial da Avenida Octávio Mangabeira.
 
A prefeitura, ao entregar o mirante com vista oceânica privilegiada, viabilizando uma alternativa de esportes e lazer à cidade, deu o pontapé nos serviços de revitalização da sua vasta faixa litorânea, que engloba desde a praia de Tubarão, no Subúrbio Ferroviário, até a poética Itapuã. Isso foi só o começo, bem como os trechos da Barra e da Ribeira, que continuam em obras, a serem concluídos o mais brevemente possível.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Surdo É Cidadão. Por quê?

Projeto recém-premiado induz os deficientes auditivos à promoção social e ao exercício da cidadania, com a prática em grupos de diversas atividades socioeducativas, culturais e lúdicas
 
Para Márcia Araújo (segurando o troféu), iniciativa transparece não apenas a expressão da língua brasileira de sinais, mas a expressão de sua identidade surda
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Belo exemplo de atitude solidária e transformadora, o projeto Surdo É Cidadão faz com que as ações socioeducativas e vivências diversificadas de cultura e lazer em grupos, como método de promoção social e estímulo ao exercício da cidadania dos deficientes auditivos, se materializem. A iniciativa, criada e conduzida pela psicóloga Márcia Araújo, proporciona momentos de descontração aos usuários surdos e seus familiares, através de reuniões, passeios e atividades recreativas, oportunizando-lhes maior socialização.
 
O programa ainda oferece ao usuário atividades lúdicas gratuitas em espaços públicos de Salvador, como saraus, expressões artísticas, sessões de leitura e de contação de histórias, e facilita ao surdo e a seus familiares o acesso aos bens culturais da cidade. Essas práticas, de acordo com a idealizadora, lhes incentivam a ocupar o tempo livre que dispõem, de maneira a contribuir para o seu bem-estar e a melhoria da qualidade de vida.
 
Márcia, que também é servidora da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) e coordenadora do Núcleo de Saúde do Surdo do Centro de Estudos Culturais Linguísticos Surdos (Ceclis), enfatiza que o projeto voluntário, que abrange indivíduos surdos desde a tenra idade até a vida adulta, transparece “não só a expressão da língua brasileira de sinais, mas a expressão de sua identidade surda”.
 
Contemplado recentemente com o 5º Prêmio Servidor Cidadão como quarto colocado, o projeto Surdo É Cidadão desmitifica a ideia de que a língua brasileira de sinais (Libras) une gestos e gesticulações concretas que não expressam conceitos abstratos de pessoas ou instituições que não conhecem pessoas surdas, e ajuda a minimizar sentimentos de exclusão social diante de alguns segmentos que compreendem a Libras como uma língua de fato e de direito.
 
Segundo Márcia, os ouvintes e os deficientes auditivos, embora sejam setores coletivos heterogêneos, são interdependentes. “Tenho a certeza que podemos ser solidários e respeitosos uns com os outros. Nós temos a capacidade emocional de partilharmos nossa sorte, nossa força de lutar pela vida e nossa liberdade”, declarou.
 
Além disso, a iniciativa favorece o fortalecimento mútuo da autoestima da comunidade surda, desenvolve atividades que resgatem valores sociofamiliares, fomenta discussões participativas sobre temas da atualidade, como violência urbana, pedofilia, uso de drogas e nutrição, a partir de palestras ofertadas por instituições das redes pública e privada. “Eu sei que muitos surdos ainda são invisíveis para a sociedade de ouvintes, mas eu também sei que, para todos os ouvintes que estão entendendo, ser surdo é ser também um cidadão”, afirmou Márcia.
 
Márcia Araújo e seu companheiro, professor Milton Bezerra Filho
Trajetória da idealizadora do Surdo É Cidadão caracteriza-se por sua militância pelos direitos dos deficientes
(Foto: Divulgação)
 
Uma audaciosa militante
 
A trajetória desta psicóloga graduada pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná, é estigmatizada por sua militância na defesa dos direitos da pessoa com deficiência intensificada em sua cidade natal, Goioerê, no centro-oeste daquele estado. Foi lá, no dia 27 de fevereiro de 1991, onde Márcia Regina Bento de Araújo se mobilizou e colaborou na fundação da Associação Goioerense de Deficientes Físicos (Agodef).
 
Seu dinâmico, audacioso e persistente ciclo vital no engajamento da classe deficiente nunca foi passível de estagnação, quando, em março do mesmo ano, Márcia foi convidada para atuar no extinto Centro de Tratamento de Psicoses Infantis (Centrapi), em Salvador, coordenado pela pedagoga Nélia Santos, tendo como orientador o professor-doutor José Raimundo Facion.
 
Na época, ela pediu demissão da entidade educacional onde tinha inaugurado sua carreira, a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). Mesmo contrariando a vontade de seus pais, a futura genitora do projeto Surdo É Cidadão alçou voo e se transferiu para trabalhar na capital baiana, onde fixou residência e continua vivendo até hoje.
 
Márcia estampa em sua alma o orgulho de sua terra e a sua origem humilde. "Meu pai foi um homem exemplar, honesto, trabalhador, um verdadeiro chefe de família. Sua vida foi dedicada aos filhos e à esposa. Ele não bebia, não frequentava restaurantes caros e participava do movimento de encontro de casais todas as semanas. Seu sonho era ver os filhos formados com nível superior”, emocionou-se.
 
A psicóloga recorda de uma lição valiosa que seu pai havia ensinado acerca do respeito ao próximo e da dimensão da importância da solidariedade. “Nunca vou me esquecer de quando ele falou para todos os filhos: ‘A herança que deixo para vocês é o estudo’”. Por isso, o 5º Prêmio Servidor Cidadão com o qual ela foi agraciada, na última terça-feira (22), em solenidade organizada pelo governo do estado no Teatro Castro Alves (TCA), é dedicado à memória de seu pai e à sua amada mãe. “Obrigada por vocês terem dado suas vidas pela educação de seus filhos”, salientou.
 
Em cerimônia no TCA, projeto que favorece aos surdos a inserirem socialmente faturou o quarto lugar do Prêmio Servidor Cidadão 2013
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
“Não nascemos para vivermos isolados”
 
De acordo com Márcia Araújo, o prêmio “se apresenta para nos provar que não nascemos para vivermos isolados, para sermos superiores às pessoas com deficiência e ignorar o que está acontecendo com o outro ser humano ao nosso lado”. Além disso, é considerado, sobretudo, um estímulo para que os outros funcionários públicos, provenientes de múltiplas categorias, sejam capturados pelo espírito voluntário de justiça social.
 
"Embora a estrada para chegar até aqui tenha sido difícil, eu não caminhei só. Meu companheiro, o pedagogo Milton Bezerra Filho, os surdos da comunidade surda de Salvador e os amigos e colegas de trabalho sempre estiveram ao meu lado”, disse Márcia. Para a servidora da Sesab, sua indicação para receber o prêmio resultou de uma prática de solidariedade com minorias excluídas socialmente.
 
“Trata-se de respeito ao ser humano que é diferente, trata-se de capacidade de luta de uma comunidade de surdos que enfrenta a exclusão social todos os dias em que acorda no mundo dos ouvintes", afirmou.
 
A estagiária da Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (Sudef/SJCDH), Laiza Rebouças, formanda em Direito pela Universidade Católica do Salvador (Ucsal), esclarece que a entrega do troféu ao projeto Surdo É Cidadão “foi a primeira vez que o governo do estado premia um trabalho voltado para a comunidade surda”.
 
"É impossível dizer toda emoção que está dentro do meu coração, o que tenho a dizer será dito com a continuidade do meu trabalho. Para mim, o projeto Surdo É Cidadão já é vencedor por estar entre os 10 finalistas", assegurou Márcia. Como filosofou Vygotsky (1896-1934), notório educador russo do início do século passado, “não é a surdez que define o destino das pessoas, mas o resultado do olhar da sociedade sobre a surdez”.
 
Depoimentos elogiosos sobre o projeto Surdo É Cidadão
 
Márcia Araújo, psicóloga, servidora da Sesab e criadora do projeto: “O projeto trata de uma questão muito séria, ele trata de justiça social. Quando a gente tem um projeto, um trabalho que oportuniza o crescimento do outro, é a capacidade que nós temos, como seres humanos, de se colocar no lugar do outro e permitirá que o outro tenha um direito de cidadania. O projeto Surdo É Cidadão é vida.”
 
Milton Bezerra Filho, professor de Libras e presidente do Ceclis: “Márcia fez o projeto pensando no surdo, na comunidade surda. Como psicóloga voltada para o social, ela melhora a participação dos surdos com suas famílias, inclusive vindo aqui na Biblioteca (Infantil Monteiro Lobato, no bairro de Nazaré) para a prática da língua dos sinais. Tudo isso é muito importante.”
 
Rosane Rubim, diretora da Biblioteca Infantil Monteiro Lobato e parceira do projeto: “O projeto da Márcia é um incentivo à vida. Trabalhar com os surdos, que são tão discriminados pela população, realmente é uma ação que é necessária na nossa cidade.”
 
Vidalgo Guido, presidente do Centro de Surdos da Bahia (Cesba): “Para estimular o surdo, esse trabalho que Márcia está fazendo é muito importante para o social do surdo. É muito importante para os surdos se desenvolverem socialmente.”
 
Nelma de Jesus, beneficiada: “Eu nasci surda, eu tive muitos problemas de comunicação com o mundo ouvinte, porque o mundo ouvinte tem muito preconceito. Eu sou muito feliz, eu sou uma surda feliz.”
 
Janete Neves, mãe de beneficiada: “Sou mãe de Maria Augusta, ela é surda, mas hoje ela está se comunicando bastante com facilidade, com os amigos através do projeto e, hoje em dia, o surdo não tem dificuldade para conviver. É uma vitória para os surdos ter Márcia para nos ajudar.”

Nova abertura dá mais impacto e modernidade à “Sessão da tarde”

Faixa vespertina de filmes da Globo agora é introduzida por uma vinheta multicolorida, acompanhada por uma versão cantada do tema musical

Com informações da Globo Comunicação
 
Logotipo da Sessão da tarde, com letras manuscritas obtidas a partir de fitas que representam película de cinema
(Imagem: Divulgação/TV Globo)
 
Quem sintoniza a TV Globo nas tardes de segunda a sexta-feira, às 15 horas e 50 minutos, o telespectador, por acaso, se depara com uma novidade: a tradicional Sessão da tarde agora ganhou uma vinheta de abertura supermoderna e impactante, com fitas multicoloridas que, no final, "escrevem" sobre o fundo lilás o seu logotipo.
 
Lançada surpreendentemente no dia 7 deste mês, a peça animada, desenvolvida pela equipe chefiada pelo designer Alexandre Romano, dos quadros da própria Globo, é sonorizada por uma versão jovial do tema musical que há décadas introduz os filmes exibidos dentro da faixa vespertina diária da emissora carioca.
 
Romano explica a concepção visual da nova vinheta da Sessão da tarde. “Pensamos em um formato bem gráfico e divertido, usando combinações mais ousadas nas cores e um grafismo mais suave, com formas simples. As fitas representam a película de cinema de uma forma menos óbvia; elas brincam colorindo a tela até formarem a logo”.
 
A releitura da clássica trilha sonora, criada pelo diretor musical Mariozinho Rocha e sua equipe, foi solicitada pelo diretor de Comunicação da Globo, Sérgio Valente. Ele queria uma adaptação mais humana, daí a presença de um coro juvenil cantando o tema nostálgico que seduz gerações de aficionados por filmes.
 
Veja, a seguir, a nova vinheta de abertura da Sessão da tarde, no ar desde o dia 7 de outubro:
 

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Melhores momentos do Dia Você Servidor

Espetáculo comemorativo do Dia do Servidor, a ser celebrado no dia 28, e direcionado aos funcionários públicos do estado da Bahia, o Dia Você Servidor aconteceu na noite desta terça-feira (22), numa sala principal do Teatro Castro Alves lotada de servidores públicos, familiares, integrantes da sociedade civil e demais convidados.
 
Confira, a seguir, uma galeria fotográfica com os melhores momentos da cerimônia em que, além de os servidores serem contemplados com o 11º Prêmio de Boas Práticas e o 5º Prêmio Servidor Cidadão, foram incluídas apresentações de dança, mais a realização do primeiro Festival de Música do Servidor Público.
 
Todas as fotos foram capturadas por Hugo Gonçalves, presente na cobertura desse megaespetáculo registrado na memória daqueles que o prestigiaram.
 
Parte 1 - Apresentações de dança
 



Impressões Brasileiras, parceria entre a Trampolim Companhia Jovem de Dança e o Quinteto de Sopros do Neojibá

Fururu, da Escola de Dança da Funceb
 
Dora, da Escola de Dança da Funceb
 
Parte 2 - Solenidade de entrega dos prêmios
 
Entrega do 11º Prêmio de Boas Práticas ao tenente-coronel da PM em Paulo Afonso, Josemar Pereira, pelo Projeto de Ações Socioculturais na rede pública de ensino do município

Entrega do 5º Prêmio Servidor Cidadão aos cinco vencedores



Com o projeto Surdo É Cidadão, sua idealizadora Márcia Araújo comemora o quarto lugar do Prêmio Servidor Cidadão ao lado de amigos e colaboradores
 
Parte 3 - Festival de Música do Servidor Público
 
1º lugar: Allan Salomão, de Itabuna, e seu grupo Vitrola Rústica tocam o rock campeão Sonhos ideais (Allan Salomão)

2º lugar: Felipe Barbosa, de Canavieiras, entoa o forró Deixa, de sua autoria, que faturou o vice-campeonato

3º lugar: Com sua voz luminosa, Raquel Santana interpreta o rock Mudanças, composição do soteropolitano Raulino Júnior, terceira colocada

Espetáculo premia iniciativas de servidores estaduais

Simbolizando a passagem do dia voltado ao funcionalismo público, governo da Bahia organizou ontem no TCA uma grande cerimônia repleta de esplendor, com direito a apresentações especiais e estreia de festival de música
 
Dia Você Servidor concedeu aos 20 finalistas os prêmios Servidor Cidadão (foto) e Boas Práticas
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Uma noite brilhante para ficar na memória. A premiação dos melhores projetos idealizados pelos funcionários públicos estaduais da Bahia, através dos Prêmios de Boas Práticas e Servidor Cidadão, e a animação da plateia balizaram o Dia Você Servidor, nesta terça-feira (22), na sala principal do Teatro Castro Alves (TCA), no Campo Grande. Na ocasião, os espectadores ainda tiveram, no Festival de Música do Servidor Público, a oportunidade de conferir seus primeiros contemplados.
 
Fruto de uma sólida e inestimável cooperação estabelecida pelas secretarias da Administração (Saeb) e da Cultura (Secult), a magnífica festa, que simbolizou a passagem do Dia do Servidor, celebrado no próximo dia 28, teve como apresentadoras as atrizes Cristiane Veigga e Maria Marighella. Além de servidores e de seus familiares, autoridades, membros de entidades da sociedade civil e demais convidados garantiram assento privilegiado.
 
O prelúdio da cerimônia foi anunciado com a execução magistral do Hino do Estado da Bahia pelo Coral da Polícia Militar, seguido da exibição do vídeo do espetáculo A sagração da primavera e das aplaudidas performances ao vivo dos bailes Fururu, inspirado na mitologia iorubana, um dos signos constituintes da nossa singular identidade cultural, e Dora, que enaltece a força do maracatu pernambucano. Todos esses espetáculos foram assinados pela Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb).
 
 
Manifestações culturais díspares estão expressas em Fururu e em Dora, da Escola de Dança da Funceb
(Fotos: Hugo Gonçalves)
 
Logo depois, o secretário do Turismo, Domingos Leonelli, o secretário interino da Administração, Edelvino Góes, o comandante geral da PM-BA, coronel Alfredo Castro, e o diretor do TCA, Moacyr Gramacho, representando o secretário da Cultura, Albino Rubim, fizeram breves pronunciamentos.
 
De acordo com Gramacho, a orquestra sinfônica e o balé do teatro já estão entre os mais atuantes do Brasil. Já Leonelli acredita que “o servidor público tenha recebido do governo uma atenção especial”, e ponderou a inclusão, no Clube de Desconto do Servidor, do programa Viaje por um Mundo Chamado Bahia, que, segundo ele, funcionará efetivamente em novembro e proporcionará aos servidores roteiros turísticos a preços acessíveis por diferentes regiões do território baiano.
 
Tenente-coronel da PM, Josemar Pereira (com o troféu nas mãos), foi o primeiro colocado do 11º Prêmio de Boas Práticas pela iniciativa sociocultural nas escolas públicas de Paulo Afonso
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Boas Práticas e Servidor Cidadão
 
Em sua 11ª edição, o Prêmio de Boas Práticas de Trabalho no Serviço Público visa estimular ideias inovadoras que promovam a criatividade, a inteligência, a eficácia e a economicidade do funcionalismo público no ambiente de trabalho. No entanto, o Prêmio Servidor Cidadão, que neste ano chegou à sua quinta edição, tem o propósito de fomentar e oportunizar as ações de voluntariado concebidas pelos servidores que contribuam para transformar a qualidade de vida nas comunidades onde atuam.
 
Concorreram, tanto no Prêmio Servidor Cidadão quanto no de Boas Práticas, 256 projetos no total, mas foram selecionados apenas 20 finalistas pela Comissão Especial de Seleção e Julgamento, sendo dez em cada prêmio. O titular em exercício da Secretaria da Administração, Edelvino Góes, teve a honra de os vencedores, do primeiro ao quinto lugar, serem agraciados com troféus e certificados, enquanto o superintendente de Recursos Humanos da pasta, Adriano Tambone, foi o incumbido de entregá-los, do sexto ao décimo lugar.
 
O tenente-coronel do 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Paulo Afonso, Josemar Pereira Pinto, faturou a primeira colocação no 11º Prêmio de Boas Práticas, com o Projeto de Ações Socioculturais, no valor de R$ 10 mil. Liderada por ele, a iniciativa incita os alunos da rede pública do município do norte do estado a conscientizar social e culturalmente, em particular no que tange à segurança.
 
Projeto Surdo É Cidadão, concebido por Márcia Araújo (com o troféu nas mãos), deu à servidora da Sesab o quarto lugar no 5º Prêmio Servidor Cidadão
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Quanto ao Prêmio Servidor Cidadão, outro membro da PM, o capitão Leandro Ferreira dos Santos, de Ilhéus, na região sul, conquistou o primeiro lugar com seu projeto Tae Kwon Do na Escola. Graças a essa ação instigante, que faz do esporte sul-coreano um instrumento de aprimoramento socioeducativo, o policial foi contemplado com R$ 10 mil. A psicóloga Márcia Araújo, servidora da Secretaria da Saúde (Sesab), venceu o quarto lugar, sendo agraciada com R$ 3 mil por seu projeto Surdo É Cidadão.
 
Terminada a solenidade de entrega dos prêmios aos servidores, as apresentadoras, antes de anunciarem os vencedores da edição de estreia do Festival de Música do Servidor Público, convocaram a Trampolim Companhia Jovem de Dança e o Quinteto de Sopros dos Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (Neojibá) para apresentarem, em pleno palco do TCA, a obra Impressões Brasileiras, composta pela pianista do Neojibá, Aline Falcão, também coordenadora da Orquestra Castro Alves.
 
O itabunense Allan Salomão (centro), líder da Vitrola Rústica, sagrou-se campeão da edição de estreia do Festival de Música, com Sonhos ideais
(Foto: Hugo Gonçalves)
 
Talento através da música
 
A vibração da plateia foi esplêndida e espontânea durante o anúncio dos contemplados do Festival de Música, criado com o objetivo de valorizar o talento dos funcionários públicos estaduais por intermédio da arte musical. Das 347 canções inscritas, somente 15 – que acabaram sendo incluídas num CD lançado e distribuído no foyer do teatro, durante o Dia Você Servidor – foram pré-selecionadas pela Comissão Julgadora para serem disponibilizadas para votação no Portal do Servidor, através de enquete.
 
Do voto popular, definiram-se três músicas finalistas, apresentadas no desenrolar da cerimônia. Cada número era prestigiado pelo público. A própria comissão, integrada pelo coordenador do festival, Eduardo Bandeira, pelo cantor e compositor Alex Góes e pelo coordenador de programação da Rádio Educadora FM (107,5 MHz), Nilton Amorim, teve a incumbência de agraciar os primeiros vencedores. Previamente à entrega dos troféus aos finalistas, a servidora Fátima Ribeiro recebeu o prêmio da categoria Melhor Intérprete por Noite e dia, dela e de Carlos Araújo Marcelino.
 

Natural de Canavieiras, Felipe Barbosa (no alto) faturou o segundo lugar por Deixa; Raulino Júnior foi o terceiro colocado, com Mudanças, interpretada por Raquel Santana (acima)
(Fotos: Hugo Gonçalves)
 
Mudanças, rock gravado na voz abrilhantada da cantora Raquel Santana, concedeu o terceiro lugar ao servidor Raulino Júnior, de Salvador. Ao entregar o prêmio, Raulino encerrou seu discurso esclarecendo: “A música da Bahia, definitivamente, precisa de mudanças”. Lotado no município de Canavieiras, no sul do estado, Felipe Barbosa foi o vice-campeão do Festival de Música graças ao forró Deixa, composto e interpretado por ele.
 
Houve, por parte da plateia, um clima de suspense pouco antes de as mestras de cerimônia proclamarem o nome do campeão absoluto do festival. Enfim, o vencedor foi anunciado, para aclamação da torcida: o servidor Allan Salomão, oriundo de Itabuna, com o rock pesado Sonhos ideais, executado pela banda Vitrola Rústica, da qual é vocalista e líder.
 
Tendo a música campeã, mais uma justa homenagem de Allan e seu grupo ao eminente cantor e compositor baiano Caetano Veloso com O leãozinho, como trilhas sonoras de encerramento daquela noite especialíssima para o funcionalismo público estadual, todos os espectadores dançaram e se contagiaram luminosamente, em meio a uma atmosfera de euforia, alegria, confraternização e entusiasmo.